Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"Os diletantes são-no geralmente de ideias ou de emoções - porque para compreender todas as ideias ou sentir todas as emoções basta exercer o pensamento ou exercer o sentimento, e todos nós, mortais, podemos, sem que nenhum obstáculo nos coarcte, mover-nos liberrimamente nos ilimitados campos do raciocínio ou da sensibilidade.” Eça de Queiroz

Poema de desencanto e de combate

João A. Moreira, em 17.07.13

Poema de desencanto e de combate

 

às quatro mulheres que amo

e à memória de Luís Abel Ferreira

 

 

Não há esperança

e…, ainda bem.

Pôr o amor à distância
e dedicar-se à agricultura
biológica.
Multiplicar o verde das alfaces.
Nunca foi preciso regressar ao real.
O real impõe-se com tanta realeza,
paramentado, ungido, sacerdote
que sacode segredos do capote!
O real reina, rima, rami-
fica-se
num enormíssimo ramo de rosas
antes do suicídio.

Não há esperança
e…, ainda bem.

Pôr a dor à distância
e dedicar-se à agricultura
com pesticidas.
Multiplicar o verde dos venenos.
O que, por real, se entende,
tem sido mal entendido
por gerações de poetas
sem antenas
ou só metade semi-descritivos
que é chão que não dá uvas:
e a fermentação urge toda nua
das uvas bem pisadas por mil putas
prà grande bebedeira cristalina.

Não há esperança
e…, ainda bem.

Viver condor
(transferência de um estado doloroso
para o nome de uma ave de rapina).

Pôr o amor à distância?

Nanja eu. Voar custe o que custar.
Quero o amor mais perto de mim
do que a minha veia jugular;
e quero pôr a dor à distância
mesmo sem esperança.

O real não tem fronteiras.
Impossível separar o real do espírito.
Ou amputar-lhe a mão azul
que se apodera da transcendência.
E aqui é que bate o ponto da distância.

De Deus, já não há verosimilhança,
mas, sim, ausência ou indiferença,
ou a moda da incompreensão de Buda,
que semeou as papoilas do ópio

com os cílios das suas pestanas
e não alfaces.

Não há esperança
e…, ainda bem.

Só a distância é que nos salva?

É melhor tirar a égua da chuva.

O real não perdoa
e…, o amor também não. 

 António Barahona, in Telhados de Vidro nº.17, Averno

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



os diletantes

JdF
Joana da Franca

JAC
João Albuquerque Carreiras

João A. Moreira
João Almeida Moreira

ajbarrote
Jorge Barrote

osdiletantes@sapo.pt





pesquisar

Pesquisar no Blog  




Google Analytics